Rita Lee

Rita Lee Jones, mais conhecida como Rita Lee (São Paulo, 31 de dezembro de 1947) é uma cantora, compositora e instrumentista brasileira.

Nascida Rita Lee Jones, é a filha mais nova de Charles Fenley Jones (imigrante norte-americano) e de Romilda Padula (filha de italianos). Seus pais tiveram outras duas filhas, Mary Lee e Virginia Lee. Rita foi educada no colégio francês paulistano Liceu Pasteur, e hoje fala fluentemente português, inglês, francês, espanhol e italiano. Também chegou a cursar Comunicação Social na Universidade de São Paulo em 1967, na mesma turma da atriz Regina Duarte, mas deixou a universidade durante o primeiro período.

Durante a infância, teve aulas de piano com a musicista clássica Magdalena Tagliaferro. Na adolescência começa a se apresentar em colégios como componente do Tulio’s trio. Em 1963, forma um conjunto com mais duas garotas, as Teenage Singers, que participam de shows e de festas colegiais. No ano seguinte elas conhecem um trio masculino, Wooden faces. Os dois grupos se juntam, formando o Six Sided Rockers, banda que depois se chamará O’Seis, que chega a gravar um disco compacto com duas músicas. Com a saída de três componenetes, sobram Rita, Arnaldo e Sérgio que passam a se chamar Os Bruxos. Por sugestão de Ronnie Von, o grupo passou a chamar-se Os Mutantes.

Entre 1966 e 1972 foi, com Arnaldo Baptista e Sérgio Dias, integrante da banda Os Mutantes, cantando, tocando flauta e percussão, além de performances bissextas no sintetizador, no banjo e manipulando bizarrices como um gravador portátil (na música Caminhante Noturno) e uma bomba de dedetização (em Le Premier Bonheur du Jour) e sendo letrista. Em 1967, a banda acompanhou Gilberto Gil no III Festival de Música Popular Brasileira (TV Record), na apresentação da canção antológica Domingo no Parque. Rita gravou seis discos com a banda e, entre 1971 e 1972, foi casada com o companheiro de banda, Arnaldo (o divórcio seria assinado somente em 1977).

Rita gravou dois discos solo, acompanhada dos componentes dos Mutantes. Build up (1970), era a trilha sonora de um show que Rita fez exclusivamente para uma edição da Fenit (feira de moda de São Paulo) – deste disco saiu seu primeiro hit solo, José. Hoje é o primeiro dia do resto da sua vida (1972), foi lançado com o seu nome pois Os Mutantes já tinham lançado disco naquele ano. Rita foi expulsa dos Mutantes neste mesmo ano, seus companheiros achavam que ela não tinha o virtuosismo necessário para tocar o rock progressivo, novo interesse da banda. Depois de um curto período de depressão, formou com a amiga Lúcia Turnbull uma dupla no estilo glam rock (ou glitter rock), As Cilibrinas do Éden, cuja única gravação, ao vivo, no festival Phono 73, nunca foi lançada. Uma das músicas da dupla daria origem ao hit Shangrilá, em 1980. Rita e Lúcia desistem da dupla e formam a banda Tutti-frutti. Rita, além de cantar, tocava piano, sintetizador, gaita e violão. Conseguem um contrato com a gravadora Somlivre, mas esta exige que o grupo assine como Rita Lee e Tutti-frutti. Durante a gravação do primeiro disco, Lúcia Turnbull deixa o grupo. Deste disco o hit é Menino Bonito. Mas é com o disco Fruto Proibido, de 1975, que Rita alcança a consagração nacional, com vários sucessos como Agora só falta você, Esse tal de roque enrow e especialmente Ovelha negra. Fruto Proibido torna-se uma espécie de manual para fazer-se rock em português.

Em 1976, conhece o músico carioca Roberto de Carvalho e inicia uma parceria musical/amorosa de sucesso, que segue até os dias atuais. Com ele, Rita dá à luz ao seu primeiro filho, Beto Lee em 1977, seguido por João em 1979, e Antonio em 1981.

Mulher 80

Desde a década de 1960, quando surgiram os Festivais de Música Popular Brasileira até o final da década de 1980, a televisão brasileira foi marcada pelo sucesso dos musicais, apresentando novos e conecidos talentos, eles registravam índices recordes de audiência. Rita Lee participou do especial Mulher 80 (Rede Globo, 1979), um desses momentos marcantes da televisão. O programa, dirigido por Daniel Filho, exibiu uma série de entrevistas e musicais cujo tema era a ‘Mulher’ e a discussão do papel feminino na sociedade de então abordando esta temática no contexto da música nacional e da inegável preponderância das vozes femininas, com Maria Bethânia, Fafá de Belém, Zezé Motta, Marina Lima, Simone, Joanna, Elis Regina, Gal Costa e as participações especiais das atrizes Regina Duarte e Narjara Turetta, que protagonizaram o seriado Malu Mulher.

Nordeste já

Valendo-se ainda do filão do engajamento político pós-ditadura, cantou, ainda que com uma participação individual diminuta, no coro do projeto Nordeste já (1985), versão brasileira do USA for Africa, que abraçou a causa da seca nordestina, unindo 155 vozes num compacto, de criação coletiva, com as canções Chega de mágoa e Seca d´água. Elogiado pela competência das interpretações individuais, foi no entanto criticado pela incapacidade de harmonizar as vozes e o enquadramento de cada uma delas no coro.

No fim da década de 70 e durante todos os anos 80, Rita e Roberto emplacam sucesso após sucesso nas paradas. Contudo, Rita ainda passa por intervenções cirúrgicas na época: uma devido a calos nas cordas vocais e outra na face, devido a um acidente de carro.

Depois do rompimento de seu contrato com a Somlivre, em 1986, Rita dedica-se, com a parceria do amigo escritor Antonio Bivar, a um programa de rádio, Rádio Amador, que escreve e apresenta, adotando o nome Lita Ri, e interpreta vários personagens.

Em 1991, Rita separa-se temporariamente de Roberto de Carvalho (ao menos profissionalmente) e inicia a bem-sucedida turnê voz-e-violão Bossa ‘n’ Roll, seguida do disco Rita Lee, dedicado a um rock’n’roll mais purista. O casal só viria a dividir o palco novamente em 1995.

Rita teve seu nome envolvido com drogas durante muito tempo. Experimentou maconha, mescalina e LSD no final dos anos 60, e em agosto de 1976, durante sua primeira gravidez, foi presa por porte de maconha. Na década de 80, interna-se em uma clínica de reabilitação devido a uma combinação de uso de drogas e stress (já havia sido hospitalizada por estafa no início dos anos 70, e voltou a ser internada pelo mesmo motivo em 2004). Em 1995, pouco antes de abrir o primeiro show dos Rolling Stones em solo brasileiro, deu entrada no hospital por overdose, e no ano seguinte, sob efeito de barbitúricos, sofreu uma queda da varanda no segundo andar de seu sítio, esfacelando seu côndilo maxilar e tendo que passar por uma cirurgia para colocação de pinos de titânio. Os médicos teriam dito que, após o acidente, ela jamais voltaria a cantar. Contudo, depois da cirurgia bem-sucedida e diante da possibilidade de retomar sua carreira, Rita teria se comprometido a largar as drogas, o que, segundo uma declaração da cantora ao programa Fantástico, (Rede Globo), só fez totalmente em janeiro de 2006, depois de procurar ajuda em um hospício.

Em Dezembro de 1996, Rita casa-se legalmente com Roberto de Carvalho, passando a assinar Rita Lee Jones Carvalho e, em 1998, lança seu Acústico MTV, sucedido por mais três discos de estúdio, um deles composto por covers e versões em português de músicas dos Beatles. Em 2002, passa a co-apresentar o programa de televisão Saia Justa, no canal pago GNT. Rita já havia tido experiências na área ao comandar o programa TVLeeZão na MTV, em 1990. De setembro a dezembro de 2005, comandou, ao lado do marido, o talk-show Madame Lee no canal pago GNT (Globosat). Os 13 programas exibidos foram:

Episódio 1: Fernanda Torres (Tema: Ansiedade)
Episódio 2: Marília Gabriela (Tema: Inveja)
Episódio 3: Tom Zé e Baby do Brasil (Tema: Transgressão)
Episódio 4: Suzana Vieira (Tema: Sedução)
Episódio 5: Marisa Orth e Falcão (Tema: Crise de identidade)
Episódio 6: Jorge Fernando (Tema: Alegria de viver)
Episódio 7: Antônio Rodrigo Nogueira e Antônio Rogério Nogueira (Tema: Os brutos também amam)
Episódio 8: Maria Paula (Tema: Imitação da vida)
Episódio 9: Wanderléa e Pitty (Tema: Solidão)
Episódio 10: Zélia Duncan (Tema: Amizade)
Episódio 11: Elke Maravilha e Luana Piovani (Tema: Exuberância)
Episódio 12: Constanza Pascolato e Glória Kalil (Tema: Crise no closet)
Episódio 13: Fernanda Young (Tema: Irritação)

No final de 2005, Rita tornou-se avó pela primeira vez. Sua neta Isabella, filha de Beto Lee, ocupou boa parte do seu ano de 2006. Apesar disso, nesse ano Rita estreou uma mini-turnê que percorreu pequenas cidades de interior e tinha como objetivo testar o repertório da turnê que pretende fazer em 2007 como comemoração aos seus 40 anos de carreira.

Entre 1986 e 1992, escreveu quatro livros infantis, tendo como protagonista o rato cientista Dr. Alex. É adepta do vegetarianismo e militante dos direitos dos animais.

Seu estilo vai do rock and roll, passando pelo rockabilly e a música romântica. Em quase quarenta anos de carreira, já compôs inúmeros sucessos para si mesma e para artistas como João Gilberto, Caetano Veloso, Gilberto Gil, Elis Regina, Gal Costa, Maria Bethânia, Milton Nascimento, Simone, Ney Matogrosso, Zizi Possi, Marisa Monte, Marina Lima, Zélia Duncan (que atualmente a substitui nos Mutantes), Cássia Eller, Paula Toller, Paul Mauriat e Gloria Estefan.

Em seus 40 anos de carreira, Rita Lee imortalizou vários sucessos: ‘Esse tal de roque enrow, Menino Bonito, Ovelha Negra, Esse tal de roque enrow, Fruto Proibido, Luz del Fuego, Arrombou a festa, Jardins da Babilônia, Eu e meu gato, Agora é moda, Chega mais, Mania de você, Lady Babel, Doce vampiro, Lança Perfume, Saúde, Flagra, Pega Rapaz, Bwana, Obrigado não, Erva Venenosa, Desculpe o Auê, além das mais recentes Amor e sexo, Dinheiro.

Discografia:

  • Tropicália ou Panis et Circenses (com vários artistas, 1968)

  • Os Mutantes (com Os Mutantes, 1968)

  • Mutantes (com Os Mutantes, 1969)

  • A Divina Comédia ou Ando Meio Desligado (com Os Mutantes, 1970)

  • Build Up (1970)

  • Tecnicolor (com Os Mutantes, 1970, lançado somente em 2000)

  • Jardim Elétrico (com Os Mutantes, 1971)

  • Mutantes e Seus Cometas no País dos Baurets (com Os Mutantes, 1972)

  • Hoje é o Primeiro Dia do Resto da Sua Vida (1972)

  • Atrás do Porto Tem Uma Cidade (com Tutti-frutti) (1974)

  • Hollywood Rock (ao vivo) (com Erasmo Carlos e Raul Seixas, 1975)

  • Fruto Proibido (com Tutti-frutti, 1975)

  • Entradas e Bandeiras (com o Tutti-frutti, 1976)

  • Lá Vou Eu (compacto duplo) (com o Tutti-Frutti, 1976)

  • Refestança (com Gilberto Gil e Tutti-frutti, 1977)

  • Arrombou a festa (compacto simples) (com o Tutti-Frutti, 1977)

  • Babilônia (com Tutti-frutti, 1978)

  • Rita Lee (álbum de 1979)(Mania de você) (1979)

  • Rita Lee (álbum de 1980)(Lança Perfume) (1980)

  • Saúde (1981)

  • Rita Lee e Roberto de Carvalho (álbum de 1982)(Flagra)

  • Baila Conmigo (álbum cantado en espanõl)(1982)

  • Bombom (1983)

  • Desculpe o auê / Yoko ono (compacto simples) (cantado em espanõl) (1983)

  • Rita Hits (coletânea remixada,1984)

  • Rita e Roberto (Vírus do Amor) (1985)

  • Flerte Fatal (1987)

  • Zona Zen (1988)

  • Pedro e o Lobo (narradora, 1989)

  • Dias Melhores Virão (trilha sonora do filme homônimo) (1989)

  • Rita Lee e Roberto de Carvalho (álbum de 1990)(Perto do Fogo) (1990)

  • Rita Lee em Bossa’n’Roll (ao vivo, 1991)

  • Rita Lee (álbum de 1993)(Todas as mulheres do mundo) (1993)

  • A Marca da Zorra (ao vivo, 1995)

  • Tutu, o menino índio (narradora, 1996)

  • Santa Rita De Sampa (1997)

  • Acústico MTV Rita Lee (1998)

  • 3001 (2000)

  • Rita Releeda (remixes, 2000)

  • Aqui, Ali, em Qualquer Lugar (2001)

  • Rita Lee Novelas (músicas tocadas nas trilhas da novelas, 2002)

  • Balacobaco (2003)

  • Rita Lee MTV Ao Vivo (2004)

Sobre Josi Vice

Moro em Recife, Pernambuco, onde nasci a 11 de outubro de 1985. Sou latino americano pós- moderno, poeta, cínico, dark, emocional e cerebral, um caranguejo com cerébro pós- Chico, um Nietzscheano sem Nietzsche, com delírios de poeta intelectualóide. Escrevo poesia desde os 15 anos. Sou fissurado em Hentai, Slipknot e Rock´n´Roll e em Literatura, Pop ou qualquer música de boa qualidade. Também adoro navegar pela net e pesquisar na web. Amo ler revistas e artigos, principalmente se for de culura. Esse cara sou eu. Nome real: Josafá César da Silva, mas prefiro Josi Vice ou Joker Vice ou César Vice. Signo: Libra Bandas e cantores preferidos: Slipknot, Beatles, Sex Pistols, Marilyn Manson, Cazuza, Legião Urbna, Elvis Presley, Silver Chair, Echo & The Bunnymen, The Cult, Southern Death Cult, Depeche Mode Poetas Preferidos: Fernando Pessoa, Camões, Marcos Henrique, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos, Allen Ginsberg Escritores favoritos: Nietzche, Machado de Assis, Paulo Coelho, Clarah Averbuck, Franz Kafka, Clarice Lispector e John Fante
Esse post foi publicado em Albuns, alternativo, bandas, bandas de rock, Bandas de rock nacional, Biografia, Blog, Blogalização, Cantores, Cultura, História cultural, História Musical, Música, mulheres no rock, Pop, Pop Rock, Psicicodelia, Rock, Rock Alternativo, Rock brasileiro, rock de calcinha, Rock nacional, Rock progressivo, Rock psicodélico, Rock´n´roll, rockstars, Roqueiras, Roqueiros e marcado , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s