Evanescence

Evanescence é uma banda norte-americana de rock alternativo, vencedora de dois Grammy Awards e formada em Little Rock, Arkansas.

No ano de 1994, em Little Rock, Arkansas, inicia-se a história do Evanescence. Ben Moody, com apenas quatorze anos de idade, participava de um acampamento para jovens promovido pela igreja local. Enquanto Ben acompanhava uma partida de basquetebol, percebeu do outro lado do ginásio, num palco, uma garota cantando e tocando ao piano a introdução da canção “I’d Do Anything for Love”, do músico americano Meat Loaf.

 

A jovem, com apenas treze anos, que havia mudado-se recentemente
com sua família para Little Rock, chamava-se
Amy Lynn Lee. Seus pais, preocupados com o seu isolamento social, haviam encaminhado a garota para aquele acampamento, afim de que pudesse fazer amizades e integrar-se entre os jovens cristãos da cidade. Mas Amy passava horas ao piano e pouco se interessava em conhecer os demais participantes.

 

Ao ouvi-la tocando, Ben Moody atravessou a quadra em direção à garota, ao aproximar-se, apresentou-se. Logo começaram a conversar; Amy mostrou a Ben algumas composições de sua autoria e concluíram que tinham a mesma tendência musical. Assim, Ben convenceu Amy a formarem uma banda. A banda, que até aquele momento era formada por apenas Ben, que fazia guitarras, baixo e arranjos eletrônicos; e Amy, responsável pelo piano e vocais; passaram por vários nomes como Childish Intentions e Strycken até resolverem chamar a banda de Evanescence, que significa dissipar ou desaparecer.
Influenciados pelo som de artistas como Danny Elfman, Type O Negative, Portishead e Sarah McLachlan, uma das primeiras composições gravadas pela dupla chama-se “Understanding“, que é definida pelo guitarrista, Ben Moody, como “um gótico ridículo de sete minutos”. Mesmo assim, uma emissora de rádio de Little Rock, a KABF, passou a tocá-la num programa co-apresentado por Brad Caviness. Através desta divulgação, o Evanescence foi ganhando reputação e logo tornaram-se conhecidos em Little Rock. Apesar disso, por falta de condições para pagar outros músicos, a dupla ainda não tinha feito nenhuma apresentação ao vivo.Entre 1997 e 1998, o Evanescence lança demos que levavam apenas quatro faixas, incluindo “October”. O primeiro EP, lançado em dezembro de 1998 pela gravadora Bigwig Enterprises, leva o próprio nome da banda: Evanescence EP; e conta com as participações de William Boyd, Matt Outlaw e Rocky Gray.
Este trabalho, que trazia apenas sete faixas, foi lançado na primeira apresentação ao vivo realizada em um bar chamado Vino’s, em Litlle Rock. Todas as cem cópias disponibilizadas para venda esgotaram-se na mesma noite da apresentação. Com a popularidade fortalecida, porém, conhecida apenas regionalmente, a banda produz e lança em agosto do ano seguinte, mais um EP. “Whisper” – “Sound Asleep”, além de “Give unto Me”, traz mais cinco faixas. Mas a gravadora produziu apenas cinquenta cópias. A partir deste momento, o Evanescence já contava com músicos para suas apresentações ao vivo: David Hodges, John LeCompt e Rocky Gray. O próximo trabalho já começa a ser preparado.
A gravadora Bigwig Enterprises decide investir nos jovens e talentosos músicos de Little Rock. O repertório foi cuidadosamente montado com treze faixas, entre elas, “My Immortal” e “Imaginary”. Origin foi produzido por Brad Caviness e lançado em novembro de 2000 numa edição com 2500 cópias. Além de Ben e Amy, David Hodges, como baterista, tornou-se integrante oficial. Também participaram das gravações William Boyd, Bruce Fitzhugh, Stephanie Pierce e um grupo composto por quatro vozes femininas que fez coral em “Field of Innocence”.
Desse modo, o Evanescence, aos poucos, conquistava seu espaço e uma maturidade musical das bandas veteranas. Mas ainda faltava um golpe de sorte que lhes desse a oportunidade de se projetar por toda a América. Isto aconteceu quando o produtor e executivo da gravadora Wind-Up Records, de Nova Iorque, Peter Mathews, conheceu o trabalho da banda em um estúdio de Memphis, Tennessee. Era o detalhe que faltava. Peter apresentou os jovens músicos à gravadora e o contrato foi assinado. Wind-Up e Evanescence trabalharam durante dois anos montando o repertório do primeiro álbum.
Fallen, gravado em Los Angeles, trouxe onze faixas em seu repertório, a maioria composta pelo trio Amy Lee, Ben Moody e David Hodges. Nas gravações deste trabalho, David assumiu o piano e teclado. A maior parte da produção ficou por conta de Dave Fortmann, mas Ben e Jay Baumgardner também cooperaram em “Bring me to life” e “My Immortal”, respectivamente. Além dos músicos da banda, Francesco DiCosmo e Josh Freese participaram da gravação. A vendagem desse
CD foi de catorze milhões de discos no mundo inteiro.
Fallen foi o disco que definitivamente lançou a banda para o mundo e que rendeu muitos dólares e reconhecimento. Neste momento, a formação já estava estabilizada [com os amigos John LeCompt (guitarra), Rocky Gray (bateria) e Will Boyd (baixo)], e pronta para percorrer o mundo em turnês.
Em apenas seis semanas o álbum vendeu mais de um milhão de cópias e conquistou o disco de platina. As canções “Bring Me To Life” e “My Immortal” foram inclusas na trilha sonora do filme O Demolidor (Daredevil), fato que contribuiu muito para a popularidade da banda. Ainda, as quatro primeiras faixas de Fallen ganharam uma versão videoclipe: “Going Under”, “Bring Me To Life”, “My Immortal” e “Everybody’s Fool”.
Contudo, o grupo ainda tinha sua imagem vinculada à
música gospel/protestante, tanto que Fallen também era vendido em lojas especializadas neste segmento. Após algumas declarações em entrevistas concedidas pelos membros da banda, ficou claro que não havia e nem nunca houve ligação alguma. Além do fato de que a entrevista era repleta de palavrões. Este fato provocou uma frustração entre alguns fãs. A gravadora Wind-Up divulgou uma nota aconselhando que as lojas evangélicas recolhessem os álbuns do Evanescence e que as rádios não executassem as canções da banda em programas voltados para o público protestante.Em 24 de outubro de 2003, durante uma turnê européia, Ben Moody anuncia seu desligamento da banda.. A notícia foi recebida com perplexidade e decepção pelos fãs. Os motivos que levaram Ben a tomar esta atitude não ficaram muito claros. Por um tempo, os integrantes evitavam tocar no assunto. Mas um tempo depois, Amy declarou que a “sintonia” entre eles já não era como antes e, para o bem da banda, um deles tinha que sair. Amy disse também que Ben foi mesquinho ao abandoná-los em plena turnê. Para seu lugar, Terry Balsamo foi convidado para acompanhá-los até o fim das apresentações. Logo depois Terry Balsamo assumiu oficialmente o lugar de Ben, sendo efetivado no início de 2004. Amy Lee diz ter sido por causa da amizade que Terry criou com a banda e pelos elogios dos integrantes em suas apresentações, mais ainda pelo fato de Amy ter conhecido o potencial que Terry tinha para compor. Ben deu continuidade em sua carreira musical produzindo e gravando com outros artistas.
No ano de 2004 a popularidade do Evanescence foi ampliada e a banda mostrou à media e aos fãs que a saída de Ben não atrapalhou a carreira. Até fevereiro, somente nos Estados Unidos, Fallen já tinha vendido mais de quatro milhões de cópias. Premiações como os diversos Grammy europeus; além de várias indicações e outros tantos prêmios conquistados na imprensa especializada, fizeram a rotina da banda naquele ano. Porém, boatos em torno do suposto namoro de Amy e Ben, contribuíram, negativamente, para uma maior exposição do grupo na media.
Em novembro de 2004, foi lançado pela mesma gravadora o CD e DVD gravado em Paris Anywhere but Home. O DVD contém treze faixas e os quatro videoclipes; além de quase uma hora de bastidores. O CD contém as treze faixas do DVD e um bônus, a canção “Missing” (gravada em estúdio).
Neste mesmo ano tiveram início os boatos sobre o próximo álbum. No início de 2005, a canção “Breathe no More” é inclusa na trilha sonora do filme Elektra. Este foi um ano difícil para o Evanescence. Inicialmente, o americano Trevin Skeens processa a gravadora, afirmando que comprou o DVD Anywhere but home e se sentiu ofendido com a canção “Thoughtless”. Skeens exigiu uma indenização de 57 mil dólares. Em seguida, os produtores do filme As crônicas de Nárnia – O leão, a feiticeira e o guarda-roupa recusam uma música que a banda fez para a trilha sonora. “Eu escrevi uma música para o filme, que eu amo muito, mas ela foi rejeitada pela produção” comentou Amy Lee no Evboard, um fórum virtual americano. “Eles disseram que a música era ‘muito dark’ e ‘muito épica’, eu pensei sobre isso e decidi que não vou prejudicar minha arte por nada”.
Em seguida, Amy processa seu empresário Dennis Rider, por assédio sexual e o guitarrista Terry Balsamo tem um derrame cerebral. Apesar dele ter se recuperado rapidamente, isto adiou o lançamento do álbum seguinte. Apenas no início de 2006, a banda confirma o lançamento para o dia 3 de outubro e divulga seu nome: The Open Door. Pouco antes de seu lançamento, Will Boyd decide sair da banda, afirmando que precisa passar mais tempo com a familia. Ele é substituído às pressas por Tim McCord. Pouco depois, a banda lança o primeiro single deste CD: “Call Me When You’re Sober”. O álbum tem a maioria das músicas compostas por Amy e Terry e é um álbum mais pessoal e maduro, nas palavras de Amy, o que não deixou de agradar os fãs no mundo inteiro.
Classificar o estilo musical de qualquer banda atualmente é um problema, que não se limita apenas ao Evanescence. Geralmente os novos fãs insistem em classificar qualquer banda com uma cantora que segue alguma linha lírica como metal gótico, o mesmo já ocorreu com a banda finlandesa Nightwish que até 2005
contava com a cantora Tarja Turunen, que segue agora carreira solo e canta em várias óperas.
Porém, o primeiro álbum oficial da banda, Fallen, foi ligeiramente diferente dos trabalhos anteriores da mesma, motivo que levou muitos fãs a afirmarem que seu estilo mudou muito. O som passou a ser “dinâmico”, rápido, o que levou muitos a classificarem tal álbum como comercial. É exatamente nessa fase que a banda recebe o rótulo de
new metal, e também por ter recebido influências de outras como Korn, que pertence a esse estilo. Em entrevista à MTV, o ex-integrante Ben Moody chegou também a afirmar que a banda era um nu metal com pegadas góticas.
Mas é óbvio que todos esses problemas em estilos são apenas reflexo de um estilo recente mal compreendido e criticado por muitos, já que se tratando de um estilo de rock ele ainda é novo (1990) e tem sofrido uma série de adaptações desde que surgiu. Para se ter um exemplo, bandas como, Soulfly de também nu metal liderada pelo brasileiro Max Cavalera utiliza-se da linha thrash metal, Korn e Slipknot, post thrash. Conflitos ainda surgirão em definir novas bandas desse estilo.

A primeira vez que o Evanescence esteve no Brasil foi em Abril de 2007, na turnê do álbum “The Open Door”.
No dia 17 de Abril de 2007 actuaram no ginásio gigantinho de Porto Alegre, com a presença de, aproximandamente, 7000 espectadores.
O segundo concerto ocorreu em Curitiba (Paraná), no dia 19 de Abril de 2007, na pedreira Paulo Leminski, com a presença aproximada de 12.500 pessoas.
O terceiro ocorreu em São Paulo, no Parque Antártica, no dia 21 de Abril de 2007 com cerca de 26.700 pessoas.
O quarto e último concerto ocorreu no Rio de Janeiro, no dia 22 de Abril de 2007, no Riocentro (pavilhão1), com a aproximada presença de 12.000 pessoas.
Nos shows do Curitiba, São Paulo e Rio de Janeiro, fãs da banda organizaram algumas surpresas. Em Curitiba cantaram “Even In Death”.. Em São Paulo cantaram “Missing” e balões brancos foram inflados e balançados enquanto “Lithium” era tocado no Piano. No Rio de Janeiro a música cantada foi “Anywhere”.
Somaram-se aproximadamente 50 mil pessoas nessa passagem pelo Brasil.

 

Anúncios

Sobre Josi Vice

Moro em Recife, Pernambuco, onde nasci a 11 de outubro de 1985. Sou latino americano pós- moderno, poeta, cínico, dark, emocional e cerebral, um caranguejo com cerébro pós- Chico, um Nietzscheano sem Nietzsche, com delírios de poeta intelectualóide. Escrevo poesia desde os 15 anos. Sou fissurado em Hentai, Slipknot e Rock´n´Roll e em Literatura, Pop ou qualquer música de boa qualidade. Também adoro navegar pela net e pesquisar na web. Amo ler revistas e artigos, principalmente se for de culura. Esse cara sou eu. Nome real: Josafá César da Silva, mas prefiro Josi Vice ou Joker Vice ou César Vice. Signo: Libra Bandas e cantores preferidos: Slipknot, Beatles, Sex Pistols, Marilyn Manson, Cazuza, Legião Urbna, Elvis Presley, Silver Chair, Echo & The Bunnymen, The Cult, Southern Death Cult, Depeche Mode Poetas Preferidos: Fernando Pessoa, Camões, Marcos Henrique, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos, Allen Ginsberg Escritores favoritos: Nietzche, Machado de Assis, Paulo Coelho, Clarah Averbuck, Franz Kafka, Clarice Lispector e John Fante
Esse post foi publicado em bandas, Biografia, Blog, Blogalização, Cantoras, Cultura, Gothic, Música, Metal, mulheres no rock, New, new metal, Pop, Pop Rock, Rock, rock de calcinha, Rock internacional, rockstars, Roqueiras, Roqueiros, Vocal Feminino, vocalistas e marcado . Guardar link permanente.

9 respostas para Evanescence

  1. eu sou fã numero um gosto muito dela ela é muito linda suas caçoes empougam qualquer pessoa

  2. igor disse:

    além de ser super fã dala gosto do ritimos que ela toca e pra falar averdade
    ela e linda pra danar.

  3. francielle pinheiro disse:

    Evanecence e uma banda de muito valor para mim,adoro as músicas,os clips,bom tudo.

  4. leo disse:

    seu português ta fera hein tatiane
    puts….

  5. vanessynhah disse:

    eu amulll evanescence ate hje eh uma das melhores bandas q eu konheço

  6. amy disse:

    amy lee alem de linda é muito talentosa….com sua banda evanescence(que eu amooo)!!!!
    A cada dia ela vem fazendo mais sucesso……amoOoO a banda e ela…..VLW…..por falar mais dela…..
    bjusss……fUiIiIiIi…….

  7. Rai disse:

    Pra mim evanescence é tudo moda figem ser goticos ,eles imitam varias bandas, como por exemprlo Within Temptation, pra mim Amy Leexo é uma gordo baixinha que axa ser gotica por usar roupas pretas e tal

  8. livia disse:

    ela e linda e bem rock ela e tutdo de bom

  9. Ju disse:

    O Evanescence levou o neo-gótico para a mídia! A Amy Lee é super talentosa! Harpa, Piano, Voz! Incriveeeel

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s