Renato Russo falando sobre o Aborto Elétrico

ABORTO ELÉTRICO

Imagina ter um conjunto chamado Aborto Elétrico, numa época em que você não podia nem ter conjunto. Uma vez, perguntaram ao Fé [Felipe Lemos], que hoje é baterista do Capital Inicial, se ele era contra ou a favor do aborto elétrico, como se fosse algum anticoncepcional a laser. (1986)

[ Tinha o Fê, que estudava na Cultura Inglesa e tinha voltado da Inglaterra. Ele era meio hippie — tinha barba, cabelo comprido, mas usava calças rasgadas. Uma coisa híbrida — hippie com punk. E Sex Pistols daqui, Sex Pistols dali… Até que

pintou o dia em que eu estava na Taberna e veio descendo um punk com a namorada dele, um Sid Vicious loiro: era o André Pretorius. Eu cheguei para ele e a primeira coisa que eu falei foi: “Você gosta dos Sex Pistols?”. E ele: “Sex Pistols! Yeah! Jóia!”. E começamos a trocar informações. Eu tinha acabado de receber o segundo LP do Clash [Give’en enough rope] e ele, o primeiro compacto do PIL. Isso já devia ser 78. Então, bem: “Vamos formar uma banda?”. Aí formamos o Aborto Elétrico — ele tocava guitarra e eu, baixo. Eu fiquei enchendo meu pai para ele me comprar um instrumento. Foi meio difícil, mas eu estava trabalhando e juntei uma grana, ele me ajudou, e comprei um baixo. (1989)

[ Eu me lembro que a primeira apresentação do Aborto Elétrico foi num pequeno barzinho no Gilberto Salomão, onde só se vendia cana — chamava, inclusive, Só Cana. Tinham certas pessoas ligadas nos anos 70 que deram muita força. E a gente era muito entusiasmado. Se encontrássemos alguém para contar a história dos Pistols e o que esse Sid Vicious fazia, como era a história toda… Ou, nós mesmos, falando de como era bacana a gente tentar fazer rock ‘ n’ roll, reclamar da vida e tudo. Enfim, se encontrássemos alguém que nos ouvisse, despejávamos tudo. Fomos, levamos umas coisas, o Fê com caxumba, febre de 40 graus e, quando terminamos o set de cinco músicas, o pessoal reagiu com: “Ehhhhhh! De novo!!”. Porque brasileiro gosta muito de uma zona. Então, dá-lhe zona. Aí, tocamos as cinco músicas de novo e, pelo que soube, a cidade inteira falou disso depois. Ninguém nunca tinha ouvido falar de um grupo de música chegar, tocar de graça e ainda fazer aquele barulho. O Aborto Elétrico não era rápido — era lento, tipo Pistols, MC5 e Stooges. Nos colégios de classe média — Objetivo, Elefante Branco, Marista —, o comentário era: “Você viu, aqueles caras são maconheiros, blá, blá, blá…” (1989)

[ O nome Aborto Elétrico é justamente porque eles inventaram, em 68, os cassetetes elétricos que davam choque. Numa dessas batidas, uma menina que estava grávida, nada a ver com a história, levou uma tal daquelas cacetadas e perdeu a criança! Coisa de mau gosto! Então, Aborto Elétrico era o que representava a música da gente. Agora, a repressão existia em vários níveis, em todos os lugares. Tinha de se ter muito cuidado com o que se falava — não podia falar mal do governo,

nada. Nem bzzzzzzz. E era só verem um grupo de jovens juntos que vinham estragar, tipo desmancha prazer. Hoje ainda continua. Cada quatro quadras têm uma viatura especial, com telefone especial. (1989)

[ O Aborto Elétrico acabou virtualmente quando o André Pretorius foi para a África do Sul servir o exército e matar os negros. Eu passei do baixo para a guitarra — ensinei o Flávio [Miguel], do Capital, a tocar baixo e ele entrou na banda. Foi aí que comecei a usar as letras, porque eu tinha vergonha de cantar. E, nessa segunda encarnação, já apareceu a Blitx, o que facilitava as coisas. Eles tinham um amplificador e nós, outro. Juntávamos os dois, bateria e, com isso, tocávamos em colégio, festinhas, festas de aniversário. Até que foi crescendo, crescendo, crescendo e… novamente acabou o Aborto Elétrico [março de 1982]. (1989)

A gente era bem niilista, no sentido de que quase não fazia apresentação ao vivo. Realmente, o Aborto Elétrico era só um projeto. Mas, a partir de um determinado momento, tudo começou a se cristalizar, porque, de repente, a turma cresceu. Tinha o pessoal que estava nas bandas, tinham as meninas que ajudavam a gente a colar cartazes, a fazer buttons. Tinham uns amigos nossos que construíam guitarras, porque ninguém tinha dinheiro para comprar uma. Mesmo a gente sendo de família de classe média alta, era muito, muito caro. Não tinha esse mercado do rock. (1994)

[ Era ensaio todo fim de semana. Na fase do Aborto Elétrico, explodiu tudo o que eu não vivi nos dois anos em que fiquei na cama [devido à epifisiólise, doença que afeta as extremidades dos ossos]. Apareceu uma nova geração no rock que dizia: “Você não precisa estudar música para fazer rock’n’roll. Você pode pegar uma guitarra e fazer”. Éramos os punks. Nossos padrinhos foram os Paralamas do Sucesso. (1995)

 

Renato Russo de A à Z

 

Anúncios

Sobre Josi Vice

Moro em Recife, Pernambuco, onde nasci a 11 de outubro de 1985. Sou latino americano pós- moderno, poeta, cínico, dark, emocional e cerebral, um caranguejo com cerébro pós- Chico, um Nietzscheano sem Nietzsche, com delírios de poeta intelectualóide. Escrevo poesia desde os 15 anos. Sou fissurado em Hentai, Slipknot e Rock´n´Roll e em Literatura, Pop ou qualquer música de boa qualidade. Também adoro navegar pela net e pesquisar na web. Amo ler revistas e artigos, principalmente se for de culura. Esse cara sou eu. Nome real: Josafá César da Silva, mas prefiro Josi Vice ou Joker Vice ou César Vice. Signo: Libra Bandas e cantores preferidos: Slipknot, Beatles, Sex Pistols, Marilyn Manson, Cazuza, Legião Urbna, Elvis Presley, Silver Chair, Echo & The Bunnymen, The Cult, Southern Death Cult, Depeche Mode Poetas Preferidos: Fernando Pessoa, Camões, Marcos Henrique, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos, Allen Ginsberg Escritores favoritos: Nietzche, Machado de Assis, Paulo Coelho, Clarah Averbuck, Franz Kafka, Clarice Lispector e John Fante
Esse post foi publicado em Biografia, Blog, Blogalização, Cantores, Cultura, Drogas e rock´n´roll, entrevista, Estilo de vida, Frases, História cultural, história do rock, História Musical, Homossexualismo no Rock, Legião Urbana, Livros, Música, Música brasileira, music, Pop, Pop Rock, Renato russo, Rock, Rock brasileiro, Rock nacional, Rock´n´roll, rockstars, Roqueiros, Sexo, Drogas e Rock´n´roll, vocalistas e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Renato Russo falando sobre o Aborto Elétrico

  1. Douglaz Hoppus disse:

    Comentário Tardio mas tah aqui hehehe
    Vlw pelo post, toh tentando aprender coisas sobre a banda
    flw

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s