Mamonas Assassinas

Mamonas Assassinas foi uma banda brasileira de rock satírico, com influências de gêneros populares tais como forró, sertanejo, pagode além de hard rock e música portuguesa. Tornaram-se um grande sucesso com seu humor em meados da década de 1990, vendendo mais de 2,5 milhões de cópias de seu álbum de estréia. No auge de suas carreiras os integrantes da banda foram vítimas de um acidente aéreo fatal.

Em 1989 os irmãos Samuel e Sérgio Reoli, junto com Júlio Rasec e Bento Hinoto, formaram uma banda de rock chamada Utopia, especializada em covers de grupos como Legião Urbana e Rush. Em um show, o público pediu para tocarem uma música dos Guns N’ Roses, e como não sabiam a letra, pediram a um espectador para ajudá-los. Dinho voluntariou-se para cantar, e com sua performance escrachada fez o público rir, sendo aceito no grupo.

O Utopia passou a apresentar-se na periferia de São Paulo e lançou um disco que vendeu menos de 100 cópias. Aos poucos, os integrantes começaram a perceber que as palhaçadas e músicas de paródia eram mais bem recebidas pelo público do que os covers e as músicas sérias. Decidiram, então, mudar o perfil da banda, a começar pelo nome, escolhido por ser o mais engraçado, e que cita mamona como sinônimo de seio (tanto que o grupo criou a tradução para inglês “The Big Killer Breasts”, peitões assassinos).

Mandaram uma fita demo com as músicas “Pelados em Santos” e “Robocop Gay” para diversas gravadoras, e Rafael, filho do diretor artístico da EMI, João Augusto Soares e baterista da banda Baba Cósmica, insistiu na contratação. Após assistir uma apresentação do grupo em 28 de Abril de 1995, João Augusto resolveu assinar contrato com os Mamonas.

Após gravar um disco produzido por Rick Bonadio (apelidado pela banda de Creuzebek), os Mamonas saíram em imensa turnê, apresentando-se em programas como Jô Soares Onze e Meia e tocando mais de cinco vezes por semana, com apresentações em 25 dos 27 estados brasileiros e ocasionais dois shows por dia. O cachê dos Mamonas tornou-se um dos mais caros do país, R$50 mil, e a EMI faturou cerca de R$80 milhões com a banda.[carece de fontes]

Os Mamonas preparavam uma carreira internacional, com partida para Portugal preparada para 3 de Março de 1996. Porém em 2 de Março, enquanto voltavam de um show em Brasília, o Learjet em que viajavam chocou-se contra a Serra da Cantareira, numa tentativa de arremetida, matando todos que estavam no avião. O enterro no dia 4 de Março fora acompanhado por mais de 65 mil fãs.
Fora anunciado um filme da história da banda, baseado em Blá, Blá, Blá – A Biografia Autorizada dos Mamonas Assassinas de Eduardo Bueno, e a ser dirigido por Maurício Eça.
Dinho (Alecsander Alves) – nascido em 5 de março de 1971 em Irecê, Bahia.

Samuel Reoli (Samuel Reis de Oliveira) – nascido em 11 de março de 1973 em Guarulhos, São Paulo.

Júlio Rasec (Júlio César Barbosa) – nascido em 4 de janeiro de 1968 em Guarulhos, São Paulo.

Sérgio Reoli (Sérgio Reis de Oliveira) – nascido em 30 de setembro de 1969 em Guarulhos, São Paulo.

Bento Hinoto (Alberto Hinoto) – nascido em 7 de agosto de 1970 em Itaquaquecetuba, São Paulo.
A aeronave havia sido fretada com a finalidade de efetuar o transporte do grupo musical. No dia 01/03/96, transportou esse grupo de Caxias do Sul para Piracicaba, aonde chegou às 15:45. No dia 02/03/96, com a mesma tripulação e sete passageiros, decolou de Piracicaba, às 07:10, com destino a Guarulhos, onde pousou às 07:36. A tripulação permaneceu nas instalações do aeroporto, onde, às 11:02, apresentou um plano de vôo para Brasília, estimando a decolagem para as 15:00. Após duas mensagens de atraso, decolaram às 16:41. O pouso em Brasília ocorreu às 17:52.

A decolagem de Brasília, de regresso a Guarulhos, ocorreu às 21:58. O vôo, no nível (FL) 410, transcorreu sem anormalidades. Na descida, cruzando o FL 230, a aeronave de prefixo PT-LSD chamou o Controle São Paulo, de quem passou a receber vetoração por radar para a aproximação final do procedimento Charlie 2, ILS da pista 09R do Aeroporto de Guarulhos (SBGR). A aeronave apresentou tendência de deriva à esquerda, o que obrigou o Controle São Paulo (APP-SP) a determinar novas proas para possibilitar a interceptação do localizador (final do procedimento). A interceptação ocorreu no bloqueio do marcador externo e fora dos parâmetros de uma aproximação estabilizada. Sem estabilizar na aproximação final, a aeronave prosseguiu até atingir um ponto desviado lateralmente para a esquerda da pista, com velocidade de 205Kt a 800 pés acima do terreno, quando arremeteu.

A arremetida foi executada em contato com a torre, tendo a aeronave informado que estava em condições visuais e em curva pela esquerda, para interceptar a perna do vento. A torre orientou a aeronave para informar ingressando na perna do vento no setor sul. A aeronave informou “setor norte”.
Na perna do vento, a aeronave confirmou à Torre estar em condições visuais. Após algumas chamadas da Torre, a aeronave respondeu e foi orientada a retornar ao contato com o APP-SP para coordenação do seu tráfego com outros dois tráfegos em aproximação IFR. O PT-LSD chamou o APP-SP, o qual solicitou informar suas condições no setor. O PT-LSD confirmou estar visual no setor e solicitou “perna base alongando”, sendo então orientado a manter a perna do vento, aguardando a passagem de outra aeronave em aproximação por instrumento. No prolongamento da perna do vento, no setor Norte, às 23:16, o PT-LSD chocou-se com obstáculos a 3.300 pés, no ponto de coordenadas 23º25’S 046º35’W. Em conseqüência do impacto, a aeronave foi destruída e todos os ocupantes faleceram no local.
Uma operação equivocada do piloto é a versão do Departamento de Aviação Civil (DAC) para explicar o acidente com o jatinho que causou a morte dos cinco integrantes do grupo Mamonas Assassinas na noite de 02/03/1996, em São Paulo. A 10 quilômetros do Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, o piloto repetia, a pedido da torre de controle, o procedimento de aterrissagem. No entanto, em vez de fazer uma curva para a direita, virou o avião Lear Jet 25, prefixo PT-LSD, para a esquerda, chocando-se com a Serra da Cantareira. Além dos componentes da banda, Dinho, que completaria 25 anos dali a dois dias, os irmãos Samuel e Sérgio, Júlio e Bento, também morreram no acidente o piloto, o co-piloto e dois assistentes dos artistas. Numa carreira fulminante de apenas oito meses, período em que vendeu quase 1,8 milhão de cópias de um único disco com músicas irreverentes e debochadas, o grupo, formado por jovens da classe C, ascendente de Guarulhos, conquistou multidões de crianças e adolescentes em todo o país.

A morte trágica de seus cinco integrantes causou comoção nacional. Dias após, houve um minuto de silêncio no Maracanã, antes do jogo entre Flamengo e Botafogo.

Após a morte dos Mamonas, diversas bandas cover surgiram, dentre as mais famosas Sonrisal (que foi para o Covernation da MTV Brasil e teve o nome escolhido por Dinho), Elos Perdidos e Cekap. Os Titãs gravaram “Pelados em Santos” no álbum de covers As Dez Mais (2000), e dedicaram seu Acústico MTV aos Mamonas.

A Turma da Mônica fez a história “Mamonamania” pouco antes do acidente. Em outra história, Mônica conhece o grupo Azeitonas Assassinas, que toca uma versão de “Pelados em Santos”:”Mina…seu jumento é da hora…mas como ele demooora…”
Em uma história, o Professor Pardal tenta espantar um bando de gatos tocando “Babonas Rebeldes”.
Em um jogo do Rockgol de Praia, foi citada “Mundo Animal”:
Bonfá – Acabei de ser informado que o churrasco que serviram era o Tatoo, da Ilha da Fantasia.
Bianchi – Isso me lembra, como diriam os Mamonas Assassinas, “Comer tatu é bom”, mas acho que não era disso que falavam.
Os Mamonas voltam do além em um episódio da Mega Liga MTV de VJs Paladinos para impedir o vilão Roberto Leal.
O popular Charges.com.br fez diversas “charge-okê” com músicas dos Mamonas. “Pelados em Santos” cantada por fãs de Guga, “Robocop Gay” cantada por Joana Prado, “Vira-vira” cantada por portugueses 2 vezes: uma parodiando os reality shows, e outra zombando o Rock in Rio em Lisboa[1]; e “Lá Vem o Alemão” cantada por Elias Maluco.

Anúncios

Sobre Josi Vice

Moro em Recife, Pernambuco, onde nasci a 11 de outubro de 1985. Sou latino americano pós- moderno, poeta, cínico, dark, emocional e cerebral, um caranguejo com cerébro pós- Chico, um Nietzscheano sem Nietzsche, com delírios de poeta intelectualóide. Escrevo poesia desde os 15 anos. Sou fissurado em Hentai, Slipknot e Rock´n´Roll e em Literatura, Pop ou qualquer música de boa qualidade. Também adoro navegar pela net e pesquisar na web. Amo ler revistas e artigos, principalmente se for de culura. Esse cara sou eu. Nome real: Josafá César da Silva, mas prefiro Josi Vice ou Joker Vice ou César Vice. Signo: Libra Bandas e cantores preferidos: Slipknot, Beatles, Sex Pistols, Marilyn Manson, Cazuza, Legião Urbna, Elvis Presley, Silver Chair, Echo & The Bunnymen, The Cult, Southern Death Cult, Depeche Mode Poetas Preferidos: Fernando Pessoa, Camões, Marcos Henrique, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos, Allen Ginsberg Escritores favoritos: Nietzche, Machado de Assis, Paulo Coelho, Clarah Averbuck, Franz Kafka, Clarice Lispector e John Fante
Esse post foi publicado em alternativo, bandas, bandas de rock, Bandas de rock nacional, Biografia, Blog, Blogalização, brock, Cultura, Cultura musical, Estilo de vida, Estilo musical, Estilos do rock, História cultural, história do rock, História Musical, juventude, Música, Música brasileira, music, Pop, Pop Rock, Rock, Rock brasileiro, Rock nacional, Rock´n´roll, rockstars, Roqueiros e marcado , . Guardar link permanente.

6 respostas para Mamonas Assassinas

  1. wagnergrunge disse:

    sem comentarios e foda..
    a melhor d todas adoro vcs…
    eternamente…
    valew add wagnerads_phc@htmail.com

  2. Sâmera disse:

    Mamonas simplsmente eram os melhores da época. Não sei poque deus permitiu uma fatalidade dessas… eles não mererciam.

    mas foi uma história gloriosa enguanto durou.
    a reportagem acima esta bem detalhada. gostei muito.
    ainda mais a parte do acidente que eu andei pesquisando e ninguem sabia ao certo o que tinha acontecido, como ainda não sabem, mas esta bem detalhado da pra ter mais ou menos ideia do que diz a caixa preta.

  3. juninho pernambucano disse:

    ainda escuto muito mamonas assassinas puta merda, melhor banda brasileira ate hoje que eu já escutei !! \,,/ (^.^) \,,/ pode não tah presente entre nos mas ainda continua vivo na memoria de muitos ;D !!!!!!!!!!!

  4. PATRICIA disse:

    AMO D++++++ MAMONAS QUANDO EU FALO DELES MEU CORAÇÃO CHEGA A BATER +++++ FORTE……..AMO MUITO TUDO ISSSSSSOOOOOOO

  5. sandro disse:

    mamonas é tudo de bom eu também taé hje eu escuto e assisto o dvd deles…
    mamonas para sempre…
    entrem em minha comunidade do orkut..
    o último show do mamonas…
    fuiiiiiiiiiiiii….
    amo os mamonas assassinas
    roda,roda vira solte a mão e vem me passaram a mao nabunda e ainda ñ comi ninguém…
    vlw mamonas…..

  6. Junior disse:

    os mamonas foram sem duvida a melhor banda dos ultimos tempos eu so viciado nesses caras eles sao demais suas musicas sao otimas fazem nosso estilo jovens cantam chingamdo e curtindo eles eram demais e ainda sao lembraodos por muitos.para os verdadeiros fans os mamonas nao morreram,o cometa alegria apenas foi para outro lugar

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s