The Strokes

The Strokes é uma banda de Indie Rock dos Estados Unidos da América formada em Nova Iorque. Foram, na opinião de muitos, os responsáveis pela grande onda que revitalizou o rock de garagem, iniciada em 1º de Janeiro de 1999.

O baixista Nikolai Fraiture e o vocalista Julian Casablancas são amigos desde a infância. O guitarrista Nick Valensi e o baterista Fabrizio Moretti começaram a tocar juntos quando ambos estudavam na Escola Dwight em Manhattan. Mais tarde, Casablancas foi mandado para Le Rosey, uma escola na Suíça com intuito de melhorar seu comportamento, Casablancas havia desenvolvido problemas alcoólicos. Em Le Rosey, Casablancas conheceu Albert Hammond Jr., ambos americanos, apesar de não serem muito amigos. Anos mais tarde, Casablancas se encontrou sem querer com Hammond Jr. nas ruas de Nova York. Coincidentemente, ambos viviam em apartamentos na mesma rua, um de frente para o outro, Hammond estava em Nova York para estudar na NYU. Albert e Julian passaram a dividir um apartamento e, em 1999, eles se juntaram a Nikolai Fraiture, Nick Valensi e Fabrizio Moretti e formaram a banda The Strokes. A popularidade do grupo cresceu rapidamente, especialmente na região de Lower East Side em Manhattan. Eles começaram, então, a se apresentar no Mercury Lounge, onde Ryan Gentles era um dos agendadores de show. Gentles ficou tão impressionado pela banda que passou a ser seu produtor. The Strokes passaram a se dedicar a ensaios, mantendo seus trabalhos de dia (diz-se que Casablancas era um barman, e Hammond trabalhava num lugar chamado Kim’s Video) resultando numa lista de 10 a 12 músicas, entre elas “Last Nite”, “Modern Age”, “This Life” (atualmente chamada de “Trying Your Luck”), “New York City Cops”, “Soma”, “Someday” entre outras. A maioria dessas músicas adquiriram novas letras.

Gordon Raphael, um pequeno produtor de rock da cena musical de Nova York, assistiu a um dos primeiros concertas da banda, tendo, anos mais tarde, dito que ele na verdade teria ido assistir a um show de uma outra banda que também estava tocando naquela noite. Raphael deu a Albert seu número de telefone, dizendo que poderia gravar uma DEMO para eles. Após uma ligação ocorrida uns dois dias depois, a banda e Raphael finalmente se encontraram.

The Modern Age (EP) foi lançado em 2001 e acarretou em uma guerra de interesses entre gravadoras pela maior banda de “Rock and Roll” em anos. Posteriormente, The Strokes foram bastante divulgados, causando uma divisão entre os seguidores do Rock e revistas independentes: procurava-se saber se eles eram realmente os salvadores do Rock ou um punhado de jovens ricos com nomes legais e cópia do Velvet Underground. As duas bandas eram bastante parecidas tanto pelo estilo vocal de Casablancas, similar a de Lou Reed quanto pela alternância entre Hammond e Nick Valensi como guitarrista principal o que lembra Lou Reed e Sterling Morrison.

O primeiro disco da banda, “Is this it?”, é símbolo da revolução no rock que o grupo causou no início dos anos 2000, o chamado “rock de garagem”. Esse CD é tratado como uma relíquia do rock, não apenas do moderno. As faixas “Is This It”, “The Modern Age”, “Soma”, “Barely Legal”, “Someday”, “Alone, Together”, “Last Nite”, “Hard to Explain”, “NY City Cops” (esta não fez parte do álbum lançado nos EUA por conta do ataque terrorista de 11/setembro), “Trying Your Luck”, “Take It or Leave It” – impossível deixar de citar uma, todas são muito marcantes – compõem o famoso disco que estabeleceu e manteve de forma instantânea o The Strokes no mercado da música mundial e os colocou como a melhor e a mais significativa banda de rock do começo do século XXI, e sem dúvida, uma das mais relevantes da história.

O segundo CD, “Room On Fire”, deu seguimento à mistura de Rock,ódio e algumas cervejas. O terceiro, “First Impressions of Earth”,com um som diferente dos álbuns anteriores, não foi muito bem recebido pela crítica e pelos fãs. Albert Hammond Jr.,guitarrista,gravou um CD solo,chamando “Yours to Keep”. Nikolai Fraiture,baixista,divulgou em seu blog que já está em preparo o quarto cd da banda,sem previsão de lançamento.

O som feito pela banda são diversas a partir de cada disco. Enquanto Is This It a banda mostra um garage rock mais melódico. Já o segundo album, Room On Fire, a banda já apela mais para pós-punk/new wave, que já aparecia um pouco no album anterior, mas sem deixar de lado som característico do primeiro album. Em First Impressions Of Earth a banda começa a experimentar com outros estilos de rock, esquecendo o som lo-fi dos albuns anteriores.

A banda tem como grande influência bandas como Velvet Underground, Ramones, Buzzcocks, The Beatles e Television.

Muitas bandas foram influênciadas pelo som dos dois primeiros albuns da banda, alguns exemplos são Arctic Monkeys, The Killers e The Cribs.

Foram elogiados até por Noel Gallagher, que vive dizendo por aí que ninguém no mundo sabe fazer música, a não ser o Oasis.

– Ao contrário de muitas bandas, mas seguindo a tradição do Television, ambos os guitarristas dos Strokes tocam tanto guitarra ritmo como solo. Por exemplo, o solo de The Modern Age é tocado por Nick, ao passo que em Hard To Explain quem sola é Albert. Embora toquem guitarras diferentes (Nick usa uma Epiphone Riviera semi-acustica) o setup das guitarras é similar, usando os mesmos modelos de amplificadores e pedal de distorção.

– É das poucas bandas que existem ou existiram, em que todos os elementos se dão bem uns com os outros, sendo realmente amigos dentro da banda como fora dela : “É tão bacana quando membros de uma banda se dão bem. Ninguém pode substituir Julian, Nikolai, Nick, Fabrizio ou Albert. Somos amigos, se o seu amigo se muda para o Wyoming, não vai pintar um cara novo e imediatamente preencher esse espaço”

– Os The Strokes são considerados como os salvadores do Rock numa altura em que os grupos de rapazinhos bem-comportados e meninas bonitas dominavam as tabelas mundiais.

– Apesar de serem a cara de Nova York, os Strokes estouraram antes na Inglaterra e tiveram seu álbum de estréia lançado por lá primeiro, em meados de setembro de 2001. O lançamento posterior nos Estados Unidos sofreu algumas modificações e teve a música New York City Cops substituída, por causa dos ataques terroristas do 11 de Setembro.

– Nem sempre os Strokes foram a atração principal da noite, já abriram shows para Doves e Guided By Voices.

– Strokes e Guns? O vídeo “Someday”, do Strokes, mostra muito rápido, Duff, Slash e Matt. O vídeo começa com Duff conversando com o vocalista Casablanca, e todo o Strokes sentado na mesa de um bar enquanto Slash joga pinball ao fundo.

– Os Strokes tocaram no Rio de Janeiro ao lado de Gonzaguinha.

– Para o clipe da música Last Nite, os Strokes fizeram uma performance única, sem dublagem e tocando aparentemente ao vivo, num programa de auditório, estilo anos 60.

– Os Strokes assinaram com a RCA porque foi a única gravadora que respeitou a decisão da banda de não fazer um clipe. Apesar de não se importarem em tocar ao vivo diante de câmeras de TV, eles opunham-se em gravar um vídeo:‘A idéia de dublar uma música num vídeo simplesmente parece retardada para mim’, diz Julian, vocalista

– O agente musical de uma pequena casa de shows ouviu a demo da banda, virou fã e deixou seu emprego para ser empresário da banda.

Sobre Josi Vice

Moro em Recife, Pernambuco, onde nasci a 11 de outubro de 1985. Sou latino americano pós- moderno, poeta, cínico, dark, emocional e cerebral, um caranguejo com cerébro pós- Chico, um Nietzscheano sem Nietzsche, com delírios de poeta intelectualóide. Escrevo poesia desde os 15 anos. Sou fissurado em Hentai, Slipknot e Rock´n´Roll e em Literatura, Pop ou qualquer música de boa qualidade. Também adoro navegar pela net e pesquisar na web. Amo ler revistas e artigos, principalmente se for de culura. Esse cara sou eu. Nome real: Josafá César da Silva, mas prefiro Josi Vice ou Joker Vice ou César Vice. Signo: Libra Bandas e cantores preferidos: Slipknot, Beatles, Sex Pistols, Marilyn Manson, Cazuza, Legião Urbna, Elvis Presley, Silver Chair, Echo & The Bunnymen, The Cult, Southern Death Cult, Depeche Mode Poetas Preferidos: Fernando Pessoa, Camões, Marcos Henrique, Carlos Drummond de Andrade, Cecília Meireles, Álvares de Azevedo, Augusto dos Anjos, Allen Ginsberg Escritores favoritos: Nietzche, Machado de Assis, Paulo Coelho, Clarah Averbuck, Franz Kafka, Clarice Lispector e John Fante
Esse post foi publicado em Rock e marcado , . Guardar link permanente.

2 respostas para The Strokes

  1. Azumi disse:

    nháá,adoro strokes!
    =)

  2. Herivelto Junior disse:

    Ótimo artigo

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s